home Fóruns Geral 3ª Guerra Mundial – UPDATES

Visualizando 15 posts - 256 até 270 (de 282 do total)
  • Autor
    Posts
  • AvatarAnônimo
    Número de postagens: 689
    AvatarAnônimo
    Número de postagens: 689
    AvatarLoki
    Número de postagens: 18515

    A história se repete??

    Foto que supostamente prova que foi um míssel…
    AvatarLoki
    Número de postagens: 18515

    O que mais surpreende é o que Israel está fazendo, depois de tudo que passou na segunda guerra…

    AvatarAnônimo
    Número de postagens: 689
    Obama anuncia planos de coalizão para ‘destruir’ Estado Islâmico

    EUA irão apoiar forças aliadas em ações, mas não enviarão soldados.
    EI ‘não é Estado’ e ‘não é islâmico’, diz presidente em pronunciamento.

    O presidente dos EUA, Barack Obama, durante pronunciamento sobre o Estado Islâmico na noite de quarta-feira (Foto: AFP Photo/Pool/Saul Loeb)

    O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta quarta (10) que seu país irá liderar uma grande coalizão internacional que tem como objetivo “destruir o Estado Islâmico”. Em pronunciamento em rede nacional, ele assegurou, porém, que não irá enviar soldados ao Iraque ou à Síria.

    “Quero que os americanos entendam que esse esforço será diferente das guerras no Iraque e no Afeganistão. Ele não envolverá tropas dos Estados Unidos combatendo em solo estrangeiro. Essa campanha antiterrorismo será travada através de um esforço incansável e constante para eliminar o EI onde quer que ele exista, usando nosso poder aéreo e o apoio de forças aliadas em solo. Essa estratégia para erradicar terroristas que nos ameaçam, apoiando parceiros nas linhas de frente, é a mesma que temos aplicado com sucesso no Iêmen e na Somália há anos”, disse o presidente em seu discurso.
    Antes de detalhar os planos de ação, Obama reforçou que o EI é uma ameaça real. “O Estado Islâmico não é ‘islâmico’. Nenhuma religião concorda com a matança de inocentes, e a maior parte das vítimas do EI tem sido de muçulmanos”, disse. “Ele não é reconhecido por nenhum governo e nem pelo povo que subjuga. O Estado Islâmico é uma organização terrorista, pura e simplesmente”.

    O presidente americano anunciou então um plano com quatro pontos principais: dar apoio militar ao novo governo iraquiano para o combate ao EI, sem envio de tropas de solo; aumentar o apoio aos rebeldes de oposição ao governo da Síria; angariar apoio e recursos da comunidade internacional; oferecer ajuda humanitária aos muçulmanos sunitas e xiitas das regiões de controle do EI que estão refugiados, além de cristãos e outras minorias religiosas.
    Segundo Obama, porém, as ofensivas militares no Iraque não serão como as guerras no próprio Iraque e no Afeganistão. No Iraque, o presidente disse que a instalação do novo governo permite que os Estados Unidos dê apoio de inteligência, armamentos e treinamento ao exército iraquiano, mas sem o envio de tropas de combate.

    “O poder americano pode fazer uma diferença decisiva, mas não podemos fazer pelo Iraque o que eles devem fazer por si mesmos”, afirmou. “Esta é a liderança americana em sua melhor forma: apoiamos os povos que lutam por sua própria liberdade”.

    A ajuda anunciada é de 475 militares para dar apoio longe do combate pelo solo. A ideia de Obama é que a força aérea americana ataque as regiões controladas pelo Estado Islâmico para auxiliar os soldados iraquianos na luta contra o grupo radical.

    No caso da Síria, Obama afirmou que o exército americano não terá o mesmo papel que no Iraque. No discurso, ele pediu a autorização do congresso dos EUA para aumentar a quantidade de armas e dinheiro a ser enviada aos rebeldes de oposição ao governo de Bashar al-Assad. “Na luta contra o EI nós não podemos contar com o regime de Assad, precisamos fortalecer a oposição”, disse.

    O presidente dos EUA explicou que a missão de combate ao EI é semelhante a outras ações feitas pelo exército americano no Iêmen e na Somália, e que o risco de não responder às ameaças do grupo fundamentalista pode fazer com que ele ganhe força e comece a representar uma ameaça real aos territórios do país e dos aliados. Obama disse ainda que o grupo tem recrutado cidadãos de países europeus que podem estar sendo treinados no Oriente Médio. “Não registramos ainda um perigo sério, mas, treinados, esses soldados podem voltar a seus países e promover algum ataque.”

    Ele ressaltou, porém, que a coalizão militar para combater o EI também serve para proteger os militares e civis americanos na região do Oriente Médio, lembrando dos dois jornalistas americanos que foram mortos pelo grupo terrorista.
    Para angariar o apoio de outros países, Obama afirmou que o secretário de Estado, John Kerry, se reuniu nos últimos dias com o novo governo iraquiano, e nos próximos dias fará visitas a outros estados do Oriente Médio e da Europa.
    Coalizão
    Na sexta-feira (5), Kerry e o secretário de Defesa, Chuck Hagel, já ressaltavam a necessidade da criação de uma coalizão internacional em um comunicado conjunto, depois de uma reunião à margem da cúpula da Otan com os dirigentes de outros nove países. “Não podemos perder tempo para criar uma coalizão internacional para destruir a ameaça representada pelo EI”, dizia o texto.
    Na ocasião, Kerry usou um termo já empregado anteriormente por Obama ao falar em “destruir o Estado Islâmico”. “Temos que atacá-los de maneira que os impeça de tomar territórios, que reforce a capacidade das forças iraquianas, de outros que estão na região e que estão preparados para enfrentá-los, sem comprometer nossas tropas, obviamente”, assinalou Kerry em uma reunião com seus colegas da Alemanha, França, Grã-Bretanha, Itália, Turquia, Polônia, Canadá, Dinamarca e Austrália.

    A desintegração do grupo havia sido prometida pelo presidente dos EUA dois dias antes, na quarta (3), ao comentar o segundo vídeo com a decapitação de um jornalista americano por integrantes do EI, Steven Sottlof.  

    “A questão é esta: nosso objetivo é claro, degradar e destruir (o Estado Islâmico) para que não seja mais uma ameaça não só ao Iraque, mas à região e aos Estados Unidos”, afirmou em uma entrevista coletiva. “Seja lá o que for que estes assassinos pensam que irão conquistar matando norte-americanos inocentes como Steven, já fracassaram”, disse Obama. “Fracassaram porque, como muitos ao redor do mundo, os norte-americanos estão enojados com sua barbárie. Não seremos intimidados”.
    No dia 20 de agosto, quando falou sobre a morte do primeiro jornalista, James Foley, o presidente chamou o EI de “câncer” e disse que o grupo tem uma “ideologia falida”.
    “Sua ideologia é fracassada. Eles podem dizer que estão em guerra com os Estados Unidos ou o Ocidente, mas o fato é que aterrorizam seus vizinhos e não lhes oferecem nada além de uma escravidão sem fim à sua visão nula e o colapso de qualquer definição de comportamento civilizado”, disse a jornalistas.
    Ataques aéreos
    No Iraque, os EUA iniciaram ataques aéreos no dia 8 de agosto e mais de 150 ofensivas foram lançadas desde então, especialmente no norte do país. Segundo o Pentágono, mais de 200 alvos do Estado Islâmico foram destruídos e mais de 300 toneladas de ajuda foram entregues, sem nenhuma baixa ou acidente envolvendo caças americanos. A colaboração do governo local facilitou as ações no território iraquiano, em situação bem diferente da Síria.

    Em 25 de agosto, o governo sírio afirmou estar “pronto para cooperar e coordenar” o trabalho da comunidade internacional na luta contra o terrorismo no país, no âmbito da resolução 2170 do Conselho de Segurança da ONU. A medida visa impedir o recrutamento e financiamento de jihadistas na Síria e no Iraque, que também já se declarou disposto a colaborar.

    Mas o chefe da diplomacia síria, Walid Moallem, deixou claro que qualquer ataque dos aliados americanos dentro do território de seu país deveria ser coordenado por Damasco. Caso contrário, seria considerado uma agressão.

    Fonte:
    AvatarLoki
    Número de postagens: 18515

    Movimento Nacional de Ação Democrática

    Movimento Nacional de Ação Democrática

              O Decreto nº
    8.243 da Presidente da República que tenta estabelecer uma organização
    soviética de governo torna explicita a intenção do PT de transformar o
    Brasil em uma república socialista soviética.

              É evidente que a salvação da Nação brasileira depende da
    derrota desse partido e da eleição de um Presidente da República
    comprometido com a reversão desse processo.

              As Forças Armadas, única instituição organizada com poder
    suficiente para evitar a queda do país no precipício comunista, tem sido
    objeto de uma bem orquestrada campanha visando desacreditá-las junto à
    sociedade brasileira, além de um propositado arrocho salarial que não
    cessará enquanto o PT não for alijado do poder.

              Acontece que as Forças Armadas constituem, entre oficiais e
    graduados da Ativa e da Reserva e seus familiares votantes, um
    contingente eleitoral que alcança centenas de milhares de votos.

              Por outro lado, outros tantos eleitores no segmento civil
    esclarecido da sociedade, também revoltados com o caminho que nosso País
    vem trilhando, lançam seguidos apelos aos militares para que tomem
    atitudes no sentido de corrigi-lo, prontos a juntarem-se organizadamente
    a um movimento destinado a mudar esse estado de coisas, dentro das
    regras da democracia representativa.

               Conscientes disso, um grupo de patriotas, civis e militares,
    decidiu dedicar seus melhores esforços para congregar em um Movimento
    Nacional de Ação Democrática o maior número possível de civis e
    militares da Ativa e da Reserva que comunguem dos mesmos ideais, a fim
    de oferecer o conjunto dos votos dos cadastrados no movimento ao
    candidato que se comprometa a agir dentro de um rol de princípios
    perfeitamente definidos.

    AvatarLoki
    Número de postagens: 18515

    quem for contra a ratOlândia comunista do PT e outros ccomunistas deve-se inscrever no site acima.VIVA AS FORÇAS ARMADAS DO BRASIL!!!!!!!!!!!!!

    AvatarLoki
    Número de postagens: 18515

    O Pentágono apresenta sua estratégia para a “Terceira Guerra Mundial”

    O Exército dos EUA apresentou um relatório em que proporciona uma “visão dos conflitos armados do futuro” onde Washington estará envolvido nas formas mais sinistras, informam meios estadunidenses.

    O documento, “Conceito de operação do Exército” (“Army operating concept”) elaborado pelo Pentágono, descreve as estratégias para destruir os potenciais rivais geopolíticos e econômicos que possam obstaculizar os planos dos EUA de dominar o planeta, informa o portal Infowars.

    O relatório foi apresentado nesta semana durante a conferência anual da Associação do Exército dos EUA realizado em Washington, onde deixa clara sua “visão” para as próximas guerras envolvendo o Exército estadunidense.

    O documento é uma crua testemunha de uma furiosa corrida militar onde ficam claros os conceitos estratégicos preparados para realizar uma terceira guerra mundial, combinada com uma ditadura militar dentro do própio território estadunidense, asseguram os autores do artigo.

    Não obstante, assinala que “o entorno onde vai operar o Exército é desconhecido”. “O inimigo é desconhecido, a localização é desconhecida e as coalizões envolvidas são desconhecidas”, assegura. Partindo destes antecedentes Washington está disposto a eliminar militarmente a qualquer país e povo que se interponha em seu caminho à hegemonia sobre o planeta, seus mercados e recursos.

    O documento indica sem rodeios que “o caráter dos conflitos armados” será influenciado principalmente pelas “mudanças na paisagem geopolítica”.

    No caso de um enfrentamento com outra potência nuclear, o relatório propõe atacar primeiro e “de forma que o adversário seja incapaz de responder com eficiência”. Enquanto que em países menores planeja realizar operações terrestres para reprimir a resistência popular para assim mantê-la subjugada e dominada.

    Depois de mais de uma década da chamada “guerra global contra o terror”, onde a luta contra a supostamente omnipresente ameaça da Al-Qaeda era a missão primordial da inteligência e do aparato militar norteamericano, no novo documento “as organizações terroristas internacionais” parecem ter perdido peso.

    Agora a primeira prioridade são os “poderes emergentes”, com China na cabeça seguida da Rússia. No caso de Pequim, o documento põe em evidência a profunda preocupação dos EUA pelos “esforços de modernização de seu Exército” com o objetivo de conseguir “a estabilidade ao longo de suas fronteiras”, com o que Washington está disposto a terminar.

    Em relação a Rússia, e a raíz dos recentes acontecimentos na Ucrânia, o dossiê do Pentágono acusa a Moscou de estar “decidido a fortalecer sua influência na Eurásia”. “Só um forte deslocamento de forças terrestres dos EUA pode dissuadir a Rússia e impedir que ganhe influência nos conflitos políticos“, argumenta.

    Dentro das “potências regionais”, em primeiro lugar aparece Irã, que “persegue uma modernização integral de suas Forças Armadas”, e argumenta que Teerã “têm o potêncial de enterrar os objetivos regionais” de Washington no Oriente Médio.

    Mas a “visão” das futuras operações militares do Pentágono não se limita aos conflitos em outros países, senão que também contempla a necessidade de “responder e mitigar a crise dentro dos EUA”. Uma das missões “do Exército dentro do país inclui o apoio com tropas as autoridades civís”.

    Fonte:
    http://goo.gl/lLU4f8

    AvatarLoki
    Número de postagens: 18515

    ‘Estamos à beira de nova Guerra Fria’, diz Gorbachev

    Em meio às celebrações dos 25 anos da queda do muro de Berlim, o ex-líder soviético Mikhail Gorbachev fez um alerta: o mundo está à beira de uma nova Guerra Fria.

    Em um evento de comemoração do fim de um dos maiores símbolos da “primeira” Guerra Fria, realizado no Portão de Brandenburgo, na capital alemã, Gorbachev se disse preocupado com os recentes conflitos no Oriente Médio e na Europa.

    Ele ainda pediu que o díalogo fosse reestabelecido entre o Ocidente e a Rússia para que os dois lados possam restaurar sua confiança mútua.

     “O derramamento de sangue na Europa e no Oriente Médio junto com o fim do diálogo entre as nações mais poderosas é motivo de enorme preocupação”, ele afirmou.

    “O mundo está à beira de uma nova Guerra Fria. Alguns estão até mesmo dizendo que ela já começou.”

    No entanto, Gorbachev também não poupou críticas ao Ocidente. Para eles, os países ocidentais, em especial os Estados Unidos, sucumbiram ao “triunfalismo” após o fim da União Soviética em 1991.

    Nos últimos meses, as tensões entre o Ocidente e a Rússia aumentaram por causa da crise na Ucrânia, que era parte da União Soviética.

    Mais de 4 mil pessoas já morreram nos conflitos no leste do país entre forças ucranianas e separatistas, que assumiram o controle da região das cidades de Donetsk e Lugansk em abril.

    Um frágil cessar-fogo foi acordado em setembro, mas eleições promovidas pelos rebeldes no últimos final de semana trouxeram à tona o receio de que o conflito volte com toda força.

    Controvérsia
    Segundo o correspondente da BBC em Berlim, Damien McGuinness, Gorbachev buscou reduzir esta tensão com o pedido de diálogo, para que a situação não piore ainda mais.

    “Seus comentários podem ser vistos como um esforço louvável, mas algumas de suas opiniões são motivo de controvérsia no Ocidente”, afirma McGuinness.

    “Ele diz que a Europa e os Estados Unidos são parcialmente culpados pelo conflito na Ucrânia, ao citar a expansão da Otan no leste da Europa. E ele acusou líderes ocidentais de se aproveitarem do estado de fraqueza da Rússia após o fim da União Soviética.”

    Gorbachev é o líder responsável pela reaproximação da União Soviética e do Ocidente no fim dos anos 1980 e por criar uma atmosfera mais liberal, o que levou ao colapso dos regimes comunitas na Europa em 1989.

    Leia Mais: Parque de diversões da Alemanha Oriental atrai curiosos e nostálgicos da Guerra Fria

    Em 9 de novembro daquele ano, a Alemanha Oriental abriu suas fronteiras, o incluía o muro em Berlim, que separava as partes leste e oeste da capital alemã.

    Centenas de pessoas estão chegando neste fim de semana a Berlim para comemorar os 25 anos da queda do muro.

    As celebração inclui um show de rock e fogos no portão de Brandenburgo, com a participação da chanceler alemã , Angela Merkel e outros líderes.

    AvatarLoki
    Número de postagens: 18515
    AvatarLoki
    Número de postagens: 18515

    AGORA:

    Homem armado faz reféns em café em Sydney, na Austrália

    Um homem armado mantém dezenas de reféns no Lindt Chocolat Cafe, em Martin Place, em Sydney, desde as 21h (horário de Brasília) de domingo (14), 10h de segunda-feira (15) na Austrália. A polícia está em contato com o sequestrador, mas ainda não soube precisar o número de reféns, que pode chegar a 50, entre funcionários e clientes. Cinco deixaram a cafeteria até o momento.

    As motivações do ataque ainda são desconhecidas. Por volta das 2h45, três homens saíram da lanchonete e ainda não se sabe se foram liberados ou conseguiram escapar. Dois deles deixaram o local pela entrada da lanchonete e outro pela saída de emergência. Por volta das 4h15, duas mulheres deixaram a cafeteria.

    A vice-chefe de polícia local, Catherine Burn, informou que os cinco reféns libertados estão sendo avaliados por médicos para garantir que eles estão bem. Em seguida, eles serão ouvidos pela polícia.

    Ela não confirmou quantas pessoas permanecem no café. Ao que parece, não há feridos, segundo a polícia.

     A emissora local Network 10 afirmou que duas reféns mulheres disseram que o sequestrador tem duas bombas plantadas em outros locais da cidade.

    Nas primeiras horas do sequestro, imagens da emissora de TV Channel 7 mostraram pessoas com as mãos para o alto e uma bandeira negra fixada em uma vidraça da lanchonete com um texto em árabe no qual se lia “Não há outro Deus que Alá e Maomé é o mensageiro de Deus“.

    Informações da emissora de TV local davam conta de que existiam pelo menos 13 reféns no local. O gerente da Lindt na Australia, Steve Loane, disse ao site australiano “News.com.au” que entre 40 a 50 pessoas estavam dentro do café sob poder do sequestro, incluindo clientes e funcionários. A polícia não confirmou o número de vítimas.

    O mesmo site diz ainda que o atirador afirma ter “dispositivos” espalhados pela cidade e exige falar com o premiê Tony Abbott em uma conversa transmitida ao vivo por uma estação de rádio.

    De acordo com uma emissora local de televisão, o homem armado pediu que seja entregue uma bandeira do grupo Estado Islâmico (EI) e advertiu que quatro bombas estão escondidas na cidade.

    A informação foi divulgada pela emissora “Channel 10”, segundo a qual o homem armado teria conversado com dois reféns no café e teria apresentado duas demandas. A polícia não confirmou os relatos.

    Também houve informações de que reféns fizeram contato pelas redes sociais. A polícia pediu que se isso ocorrer, as autoridades devem ser avisadas, por apenas elas devem negociar com o sequestrador.

    Prédios ao redor do café foram esvaziados, dentre eles o Consulado dos Estados Unidos no país e também o Ópera House, principal ponto turístico da cidade. Informações iniciais não confirmadas relatavam que um pacote suspeito estava no local. A polícia confirmou uma operação no Ópera House, mas não forneceu mais detalhes.

    Reações
    Em uma entrevista coletiva, o primeiro-ministro disse que não estava claro se a invasão ao café tem motivação política, mas que há indicações disso. “Este é um incidente muito preocupante. Compreendo a preocupação e a angústia do povo australiano. Há pessoas que querem nos fazer mal. A violência só serve para assustar. A Austrália é um lugar pacífico”, assinalou Abbott ao pedir aos australianos para continuar o dia com normalidade e, em caso de observar movimentos suspeitos, chamar as autoridades locais.

    Na página oficial da Lindt Chocolate Cafe Austrália no Facebook, a companhia agradeceu o apoio e disse estar “profundamente preocupada com o grave incidente”. “Nossos pensamentos e orações estão com a equipe e os clientes envolvidos e todos os seus amigos e famílias”, diz o comunicado.

    Mais de 40 grupos muçulmanos australianos condenaram a tomada de reféns. “Nós rejeitamos qualquer tentativa de tirar vidas inocentes de seres humanos ou de instilar medo e terror em seus corações”, afirmam em um comunicado, que chama a tomada de reféns de “ato desprezível”. As autoridades também expressam seu apoio e solidariedade para com as famílias das vítimas e dizem esperar uma solução pacífica para o caso.

    Operação
    Desde o início da ação, o premiê está reunido com o Comitê Nacional de Segurança para acompanhar a operação. Ao redor da área há mais de 20 homens de unidades especiais e cerca de 50 agentes e detetives à paisana e com coletes à prova de balas.

    Ônibus que transitam pela região foram desviados. O espaço aéreo na região também foi bloqueado, de acordo com as autoridades de Aviação Civil e Segurança.

    A Martin Place, praça onde fica o Lindt Chocolat Cafe, está localizada no centro financeiro de Sidney, onde fica também o escritório do primeiro-ministro, a emissora de TV Channel 7, o Reserve Bank of Australia e alguns dos maiores bancos do país. O Parlamento australiano fica a apenas algumas quadras dali.

    O sequestro coincide com a detenção, em uma operação em separado, de um homem de 25 anos no noroeste de Sydney por supostos delitos por terrorismo. A detenção está ligada a um plano para realizar um ataque terrorista em solo australiano e a facilitação do deslocamento de cidadãos australianos para a Síria, segundo a imprensa local.

    Em setembro, as autoridades australianas elevaram o alerta terrorista para ‘alto’, devido à possibilidade de possíveis ataques terroristas a cargo de uma só pessoa, pequenos grupos ou grandes organizações.

    Acompanhe ao vivo:
    http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/v/globo-news-ao-vivo/61910/

    AvatarLoki
    Número de postagens: 18515

    Além da Austrália, está acontecendo outro sequestro na Bélgica:
    http://www.mirror.co.uk/news/world-news/belgium-hostage-drama-police-standoff-4813051

    Um grupo armado tomou um prédio, a polícia isolou a área, mas ainda há poucas notícias. Cerca de 30 policiais estão envolvidos na operação. As negociações estão em andamento, mas mantem um impasse.

    Ainda não é possível afirmar se há ligação com o caso de Sydney.

    AvatarLoki
    Número de postagens: 18515

    Brasileira está entre reféns em Sydney e é usada como porta-voz pelo sequestrador:

    Brasileira refém em Sydney manda SMS ao marido e posta exigências do sequestrador no Facebook

    Uma brasileira é usada como porta-voz por um sequestrador em uma cafeteria no centro de Sydney. Marcia Mikhael, nascida em Goiás e naturalizada australiana, publicou, por meio de sua página no Facebook, as demandas do homem que mantém os reféns há nove horas sob a mira de uma arma. Ele pede uma bandeira do Estado Islâmico e deseja se comunicar com o primeiro-ministro da Austrália, Tony Abbott. Morador de Goiânia, Ricardo Khouri, primo de Marcia, confirmou a informação com exclusividade ao Correio e contou que a brasileira enviou uma mensagem via SMS ao marido, por volta das 11h40 de hoje (1h40 em Brasília). “Socorro. Eu não quero morrer”, escreveu.

    Márcia, que mora em Sydney há 29 anos, trabalha como gerente de projetos em um banco australiano, cuja sede fica próxima ao local do incidente. Um homem armado mantém nesta segunda-feira um número indeterminado de reféns em um café do Distrito Financeiro da cidade australiana, onde foi observada uma bandeira islamita – cinco pessoas conseguiram deixar o local. Dezenas de policiais armados cercaram o Lindt Chocolat Café, em Martin Place. As imagens exibidas pela TV permitem observar nas janelas do café uma bandeira com a frase em árabe “Não há outro Deus que Alá, Maomé é o mensageiro de Alá”. A polícia está em contato com o sequestrador, na tentativa de negociar a libertação de todos.

    Seis horas depois do início da tomada de reféns, cinco pessoas – três homens primeiro e duas mulheres pouco depois – conseguiram sair correndo do café. As autoridades não informaram até o momento se estas pessoas foram liberadas ou conseguiram fugir do sequestrador. Ao que parece, não há feridos, segundo a polícia. “Posso confirmar que temos um homem armado no local e que ele mantém um número indeterminado de reféns”, disse Andrew Scipione, chefe de polícia do estado de Nova Gales do Sul. “Ainda não conseguimos confirmar que esteja vinculado ao terrorismo”, completou Scipione.

    O número de pessoas retidas no café é inferior a 30, informou Catherine Burn, vice-chefe de polícia. Ao mesmo tempo, a polícia determinou o esvaziamento da Ópera de Sydney, que fica perto do café, mas não confirmou se os dois incidentes estavam relacionados. A Austrália está em alerta há algumas semanas pelo temor do governo de que alguns cidadãos que lutam ao lado dos jihadistas no Iraque e na Síria possam cometer ataques no retorno ao país.

    O primeiro-ministro Tony Abbott convocou reunião de segurança nacional e considerou os fatos “inquietantes”. “Ainda não sabemos os motivos da pessoa, também não sabemos se existem motivos políticos, mas parece claro que alguns indícios nos dizem que sim, existem”, disse. “A Austrália é uma sociedade pacífica, aberta e generosa. Nada deveria mudar isto. Por isto, peço aos australianos que hoje atuem de maneira normal”, completou o primeiro-ministro.

    Fonte:
    http://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2014/12/15/interna_internacional,599543/brasileira-refem-em-sydney-manda-mensagem-a-marido-nao-quero-morrer.shtml

    AvatarLoki
    Número de postagens: 18515

    Polícia invadiu a cafeteria e libertou os reféns, ainda sem notícias do estado dos reféns e do sequestrador.

    Uma pessoa está numa maca…

    AvatarLoki
    Número de postagens: 18515

    A guerra fria sempre existiu e é muito mais abrangente que a guerra com pólvora. Segundo a Arte da Guerra, trata-se de lutar as escuras, batalhar sem disparar nenhuma arma, lutar sem combater corpo a corpo.

    Economia, mídia, leis, moda, informação, educação. Eis aí as armas da guerra fria, cujo propósito é destruir a liberdade individual.

    A verdadeira guerra fria, praticamente não teve um começo, e sabe-se lá se terá um fim.

    Preparados para a batalha?

Visualizando 15 posts - 256 até 270 (de 282 do total)
Responder a: 3ª Guerra Mundial – UPDATES
Sua informação:




:bye: 
:good: 
:negative: 
:scratch: 
:wacko: 
:yahoo: 
B-) 
:heart: 
:rose: 
:-) 
:whistle: 
:yes: 
:cry: 
:mail: 
:-( 
:unsure: 
;-) 
:fuck: 
:confused: 
:dorgas: 
mais...